terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Futebol é campo fértil para manifestações de racismo (ed. 9/12/2017)

Descrição para cegos: foto de Andreza Ferreira olhando para a câmera.
Isso foi constatado pela pesquisa intitulada Xingamento ou preconceito?: um estudo sobre o preconceito racial no futebol brasileiro realizada por Andreza Ferreira. A psicóloga estudou o assunto para obtenção de seu título de Mestre em Psicologia Social na UFPB. Foram entrevistados 295 estudantes universitários da Paraíba, o que também permitiu uma análise de discursos perante situações de racismo. Mais informações com a repórter Luíza Araújo.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Estudo procura traçar perfil psicológico de agressores de violência de gênero (ed. 9/12/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Carmen Gaudêncio sorrindo para a câmera, tendo, atrás de si, painel com transcrições de artigos científicos.
A pesquisa analisa crimes de violência contra mulheres, padrões mentais e de conduta dos infratores com o objetivo de estabelecer o perfil emocional e comportamental do agressor denunciado ou condenado por esse crime. O trabalho é coordenado pela professora Carmen Gaudêncio, do Departamento de Psicologia da UFPB. Mais informações com a repórter Laís Suassuna.

domingo, 10 de dezembro de 2017

Microalgas do litoral nordestino têm alto potencial para produção de biodiesel (ed. 9/12/2017)

Descrição para cegos: foto de Elizandra Ribeiro no laboratório, examinando recipiente de vidro que segura com o braço levantado à altura dos olhos.
Elizandra Ribeiro, doutoranda em Biotecnologia na UFPB, estuda o uso das microalgas na produção de biodiesel. Em meio às preocupações ambientais, as microalgas surgem com alto potencial energético e pouca emissão de gases tóxicos. A pesquisa acontece no Laboratório de Ambientes Recifais e Biotecnologia em Microalgas da Universidade Federal da Paraíba. Mais informações com o repórter Robson Martins.

Entre o digital e a tradição figurativa, Minna Miná ilustra a vida (ed. 9/12/2017)

Descrição para cegos: foto de Minna Miná sorrindo para a câmera. Atrás dela há alguns desenhos de sua autoria em um expositor.
Seu mais recente trabalho inspira-se na sua vivência durante uma temporada na cidade do Porto, em Portugal. Pronto para ser publicado, o livro é intitulado Onde as Gaivotas Fazem seus Ninhos. A artista pessoense, recém-graduada em Mídias Digitais pela Universidade Federal da Paraíba, trabalha com xilogravura, linoleogravura, serigrafia e escultura. Sua obra já pode ser vista em videoclipes e capas de livros. Mais informações com a repórter Marina Cabral.

sábado, 9 de dezembro de 2017

NCDH: 10 anos atuando para a cidadania e os direitos humanos - I (ed. 9/12/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Nazaré Zenaide no estúdio, falando ao microfone.
Esta semana o Espaço Experimental apresentou uma entrevista focada na atuação do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba. Falaram pelo NCDH os professores Giuseppe Tosi e Maria de Nazaré Tavares Zenaide, integrantes do grupo de pesquisadores e ativistas que contribuiu para que, nestes 10 anos de existência, o Núcleo tenha se tornado referência nacional em direitos humanos. A produção foi de Jéssica Soares, Luciana Duarte e Robson Martins.

NCDH: 10 anos atuando para a cidadania e os direitos humanos - II (ed. 9/12/2017)

Descrição para cegos: foto do professor Giuseppe Tosi no estúdio, falando ao microfone enquanto folheia alguns papéis,
Esta semana o Espaço Experimental apresentou uma entrevista focada na atuação do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba. Falaram pelo NCDH os professores Giuseppe Tosi e Maria de Nazaré Tavares Zenaide, integrantes do grupo de pesquisadores e ativistas que contribuiu para que, nestes 10 anos de existência, o Núcleo tenha se tornado referência nacional em direitos humanos. A produção foi de Jéssica Soares, Luciana Duarte e Robson Martins.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Documentário sobre quilombolas valoriza herança cultural africana no Pará (ed. 2/12/2017)

Descrição para cegos: pôster do documentário. Mostra cortejo de quilombolas atravessando rua de barro batido, vestidos com trajes coloridos, imitando realeza. Muitos deles usam coroas. Alguns portam instrumentos de percussão. Na parte superior da imagem, onde se vê o céu, o nome Marambiré está escrito em vários tipos de letra.
Intitulado Marambiré, o trabalho de André dos Santos registra manifestações culturais quilombolas na comunidade paraense de Pacoval. Entre os temas abordados estão a música, o teatro e a dança do quilombo. Além disso, traz depoimentos de mestres populares e da comunidade sobre as raízes que resistem às mudanças sociais e culturais. Marambiré teve sua estreia na própria Pacoval e está concorrendo a vagas em vários festivais internacionais de cinema. No Brasil ainda não tem planos concretos para exibições, mas a equipe aguarda convites. A repórter Nayla Georgia entrevistou André dos Santos sobre o documentário Marambiré para o Espaço Experimental.

Pesquisadora estuda quilombolas de Paratibe e sua autodeterminação identitária (ed. 2/12/2017)

Descrição para cegos: foto de Iany Elizabeth sorrindo para a câmera.
A pesquisa buscou compreender a questão da identidade atribuída e ressignificada no processo de luta e resistência étnica dessa comunidade, localizada na área metropolitana de João Pessoa. Com a pesquisa, a advogada Iany Elizabeth obteve o título de Mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal da Paraíba. Mais informações com a repórter Jéssica Soares.

domingo, 3 de dezembro de 2017

Pesquisa destaca o caráter social das doenças (ed. 2/12/2017)

Descrição para cegos: foto de Elyonara de Brito, Serioja Mariano e Wuendizy Fortunato abraçados, olhando para a câmera.
O projeto Adoecer e morrer na Paraíba na segunda metade dos oitocentos estuda as doenças e a relação entre práticas e médicos no século XIX. A pesquisa, orientada pela professora Serioja Mariano, leva em conta que as doenças conseguem configurar o modo de vida de uma sociedade. Wuendisy Fortunato e Elyonara de Brito, graduados em História pela UFPB, discutem como as doenças afetam a população com seu traço cultural. Mais informações com a repórter Marina Cabral.

Estudiosa da obra de Villa-Lobos lança dois livros esta semana (ed. 2/12/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Amarilis de Rebuá.
O lançamento será na próxima quinta-feira, na Igreja de São Francisco, centro da cidade, às 19 horas. Os livros Epigramas Irônicos e Sentimentais e Saudações Musicais são resultado da pesquisa da professora Amarilis de Rebuá para seu doutorado. Ela é docente do Departamento de Educação Musical da UFPB. Mais informações com o repórter Robson Martins.

sábado, 2 de dezembro de 2017

Marta Sanchís: música paraibana com sotaque – I (ed. 2/12/2017)

Descrição para cegos: foto de Marta Sanchís no palco, segurando um microfone. Ela está olhando para o lado e sorrindo.
A cantora e pianista Marta Sanchís veio à Paraíba cursar mestrado em Etnomusicologia na UFPB. Depois ingressou no Curso Sequencial em Música Popular e, para conclusão deste, realizou o espetáculo Daqui com Sotaque de Lá, em que interpreta compositores paraibanos. Sobre esse trabalho e sua carreira ela foi entrevistada para o Espaço Experimental pela repórter Thaíse Lourenzo.

Marta Sanchís: música paraibana com sotaque – II (ed. 2/12/2017)

Descrição para cegos: foto de Marta Sanchís no estúdio, durante a entrevista, falando ao microfone.
A cantora e pianista Marta Sanchís veio à Paraíba cursar mestrado em Etnomusicologia na UFPB. Depois ingressou no Curso Sequencial em Música Popular e, para conclusão deste, realizou o espetáculo Daqui com Sotaque de Lá, em que interpreta compositores paraibanos. Sobre esse trabalho e sua carreira ela foi entrevistada para o Espaço Experimental pela repórter Thaíse Lourenzo.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Racismo brasileiro foi criado e legitimado pela ciência (ed. 25/11/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Anita Canavarro de perfil, falando em um microfone, durante a conferência.  
A afirmação foi da professora Anita Canavarro, na conferência Gênero e Relações Étnico-Raciais. A palestra aconteceu na última quarta, na UFPB, e fez parte da programação do VI Seminário Nacional de Gênero e Práticas Culturais, realizado no Centro de Educação, fruto de parceria entre as universidades federal e estadual da Paraíba. O evento objetivou discutir a conjuntura permanente de violências e intolerâncias para questões de gênero, sexualidades, raças e etnias. A professora é doutora em Ciências pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, e atua no ensino das ciências de matriz africana. Ela é ativista do Grupo de Mulheres Negras Dandara no Cerrado e presidenta da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros. Na conferência, Anita Canavarro discorreu sobre as múltiplas dimensões do racismo e das questões de gênero. Afirmou que existe racismo na mídia, no mercado de trabalho e principalmente nas ciências. Mais informações com o repórter Robson Martins.

Processos históricos desvalorizam as culturas indígenas (ed. 25/11/2017)

Descrição para cegos: foto da professora Rita de Cássia levemente de perfil, falando. 
O tema foi abordado por Rita de Cássia Melo na oficina Por um Ensino Crítico da História e Cultura Indígena. O evento aconteceu no dia 18, na UFPB, e fez parte da programação do III Veredas do Patrimônio, nas Tramas da Memória. Trata- se de um evento anual voltado para a discussão de heranças e culturas, organizado pelo grupo Patrimônio, Memória e Interatividade da UFPB. Na oficina, a professora discutiu o reconhecimento, a contextualização e a interpretação dessas culturas. Afirmou que na construção da memória social brasileira, desde os primeiros registros textuais e iconográficos europeus, depreciou-se a figura indígena. Mais informações com o repórter Robson Martins.

domingo, 26 de novembro de 2017

Audiência pública debateu a democratização da comunicação (ed. 25/11/2017)

Descrição para cegos: foto da mesa da audiência pública. Da esq. p/ dir.: Land Seixas, Presidente do Sindicato dos Jornalistas, na tribuna; Lúcia Figueiredo, do mesmo sindicato; Gil Sabino, da Associação Paraibana de Imprensa; vereador Marcos Henrique (PT), presidindo os trabalhos; José Godoy, do MPF; deputado Anísio Maia (PT); Luzenira Linhares, Presidenta do PT em João Pessoa; representante das rádios comunitárias e Mabel Dias, do Intervozes.
O evento ocorreu na Câmara Municipal de João Pessoa na segunda-feira, dia 20. Participaram integrantes do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, do Fórum Interinstitucional pelo Direito à Comunicação, sindicalistas, ativistas políticos e sociais, jornalistas, estudantes, professores e representante do Ministério Público Federal. Na ocasião, foi discutida a concentração dos meios de comunicação no Brasil e como isso se tornou uma barreira para o acesso à informação. Mais detalhes com a repórter Thaíse Lourenzo.